A place where you need to follow for what happening in world cup

O que é Obesidade infantil

0 27

A obesidade infantil é uma doença grave que afeta crianças e adolescentes. É especialmente preocupante porque quilos extras muitas vezes colocam as crianças no caminho de problemas de saúde que antes eram considerados problemas de adultos: diabetes, pressão alta e colesterol alto. 

A obesidade infantil também pode causar baixa autoestima e depressão. Uma das melhores estratégias para reduzir a obesidade infantil é melhorar os hábitos alimentares e de exercícios de toda a família.

O que é a obesidade infantil

A obesidade infantil é uma epidemia crescente no mundo. Afeta mais de 18% das crianças, sendo a doença crônica mais comum da infância. Esse número mais do que triplicou desde 1980.

A obesidade infantil é um problema de saúde. Hoje, mais e mais crianças estão sendo diagnosticadas com diabetes, hipertensão e outras morbidades associadas à obesidade e obesidade mórbida.

Uma criança é definida como “obesa” se seu índice de massa corporal para a idade (ou IMC para a idade) for superior a 95 por cento. Uma criança é definida como “acima do peso” se seu percentil de IMC para idade for maior que 85% e menor que 95%.

O que causa a Obesidade infantil

A história familiar, os fatores psicológicos e o estilo de vida influenciam a obesidade infantil. Crianças cujos pais ou outros membros da família estão acima do peso ou obesos têm maior probabilidade de fazer o mesmo. 

Obesidade infantil

Mas a principal causa da obesidade em crianças é uma combinação de comer demais e muito pouco exercício.

Dieta pobre baseada em fast food

Uma dieta pobre em gordura ou açúcar e pobre em nutrientes pode fazer com que as crianças ganhem peso rapidamente. Fast food, doces e refrigerantes são os culpados comuns. O Departamento de Saúde dos Estados Unidos (HHS) relata que 32% das meninas adolescentes e 52% dos meninos adolescentes nos Estados Unidos bebem 24 onças de refrigerante, ou mais, por dia.

Refeições preparadas como jantares congelados, salgadinhos e massas enlatadas também podem contribuir para o ganho de peso prejudicial à saúde. Algumas crianças ficam obesas porque os pais não sabem escolher ou preparar alimentos saudáveis. Outras famílias não podem comprar frutas frescas, vegetais e carne com facilidade.

Falta de atividade física

A falta de atividade física pode ser outra causa de obesidade em crianças. Pessoas de todas as idades tendem a ganhar peso quando são menos ativas. O exercício queima calorias e ajuda a manter um peso saudável. As crianças que não são incentivadas a praticar atividades físicas podem queimar menos calorias extras por meio de exercícios, do tempo no playground ou de outras formas de atividade física.

Problemas de saúde mental

Problemas de saúde mental também podem levar à obesidade em algumas crianças. Crianças e adolescentes entediados, estressados ​​ou deprimidos podem comer mais para lidar com as emoções negativas.

Diagnóstico de Obesidade infantil

Como parte do atendimento regular à criança, o médico calculará o IMC de seu filho e determinará onde ele está no gráfico de crescimento de IMC para idade. O IMC ajuda a determinar se seu filho está acima do peso para sua idade e tamanho.

Usando o gráfico de crescimento, seu médico determinará os percentis de seu filho, como seu filho se compara a outras crianças do mesmo sexo e idade. Por exemplo, se seu filho está no percentil 80, isso significa que 80% tem um IMC mais baixo em comparação com outras crianças do mesmo sexo e idade.

Os pontos de corte nesses gráficos de crescimento, estabelecidos pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, ajudam a classificar a gravidade do problema de peso de uma criança:

  • IMC entre o 85º e 94º percentil – excesso de peso
  • 95º percentil de IMC ou superior – obesidade
  • 99º percentil de IMC ou superior: obesidade grave

Como coisas como músculos ou um físico acima da média não são contabilizados no IMC e os padrões de crescimento em crianças variam muito, seu médico também leva em consideração o crescimento e o desenvolvimento de seu filho. Isso ajudará a determinar se o peso do seu filho é um problema de saúde.

Anamnese

Partindo do conceito de que a anamnese é uma memória, o processo consiste em um registro dos dados obtidos em uma conversa inicial com o paciente. Esses dados referem-se à vida do sujeito e devem ser o mais detalhados possível.

Esta etapa é extremamente importante para o atendimento ao paciente, pois orienta os profissionais de saúde na ordem de teste e identificação de intervenções adicionais no tratamento.

Como prevenir a obesidade infantil 

A prevenção é sempre a melhor escolha, uma boa alimentação e exercícios podem ser exatamente o caminho certo para evitar este tipo de comorbidade, vamos entender.

Uma dieta nutritiva para prevenir a obesidade infantil

Especialistas em saúde infantil enfatizam que as crianças não devem comer uma dieta com baixo teor de gordura. As crianças precisam de uma certa quantidade de gordura para um crescimento médio. Se você comer pouca gordura, corre o risco de deficiência de nutrientes e afeta seu crescimento. “The Dietary Guidelines for Americans”, publicado pelos Centros para Controle e Prevenção de Doenças em Atlanta, Geórgia, recomenda que as crianças tenham excesso de peso a partir dos 2 anos de idade.

Obesidade infantil

Em vez de limitar a quantidade total de alimentos que as crianças obesas comem, os especialistas em saúde infantil recomendam que os pais tenham cuidado ao comer alimentos diferentes. 

As diretrizes nutricionais do governo contêm seis dicas nutricionais relevantes para as crianças: coma uma variedade de alimentos; equilibre a comida que você come com atividade física; coma muitos cereais, vegetais e produtos à base de frutas; limitar a quantidade de gordura, gordura saturada e colesterol em sua dieta; Limite a quantidade de açúcar em sua dieta e limite a quantidade de sal e sódio em sua dieta.

Uma abordagem nutricional que tem tratado com sucesso a obesidade infantil é a “dieta semáforo”. Projetada para pré-escolares e pré-escolares, esta dieta regula as necessidades de nutrientes e calorias, agrupando os alimentos em categorias. 

Alimentos verdes (go) podem ser consumidos em quantidades ilimitadas; alimentos amarelos (cuidado) devem ser consumidos com moderação; e alimentos vermelhos (parar) devem ser evitados, se possível.

Estudos mostraram que crianças que seguiram a dieta do semáforo como parte de um programa de tratamento abrangente que incluía exercícios, aconselhamento comportamental e apoio familiar melhoraram sua dieta e melhoraram significativamente seus hábitos alimentares. Além desses efeitos de curto prazo, os pesquisadores observaram mudanças de longo prazo na obesidade que duram de 5 a 10 anos após o início do tratamento.

Os especialistas em nutrição enfatizam que os pais devem modelar uma boa nutrição e oferecer uma variedade de alimentos saudáveis. Envolver as crianças no planejamento do cardápio também pode estimular o desenvolvimento de bons hábitos alimentares. Nas diretrizes, o CDC observou que crianças e adolescentes geralmente entendem a importância de limitar a gordura, o colesterol e o sódio em suas dietas, mas não sabem quais alimentos são ricos nessas substâncias.

De acordo com o CDC, crianças e adolescentes geralmente decidem o que comer sem a supervisão de um adulto. “O aumento de famílias monoparentais ou famílias com dois pais trabalhando ao ar livre e o aumento da disponibilidade de refeições prontas e restaurantes de fast food impediram os pais de controlar os hábitos alimentares de seus filhos”, disse o relatório.

Exercício para prevenir a obesidade em crianças

A atividade física é tão importante quanto os bons hábitos alimentares para o controle do peso. Em julho de 1996, o Departamento de Saúde dos Estados Unidos publicou o primeiro relatório do Surgeon General sobre atividade física e saúde. Ele recomendou 30 minutos de atividade física moderada a vigorosa por dia para crianças e adultos. Embora essa meta possa parecer modesta, os especialistas em saúde infantil observam que muitas crianças ficam aquém.

Especialistas alertam que crianças com excesso de peso podem ser mais propensas a lesões nas articulações do que crianças com peso médio, devido ao estresse adicional em suas articulações. A Mayo Clinic recomenda que crianças obesas iniciem gradualmente um programa de exercícios, começando com exercícios de baixo impacto, como natação e ciclismo, em vez de atividades de alto impacto como corrida. Exercícios adequados de aquecimento e relaxamento são especialmente importantes para prevenir lesões.

Em qualquer plano de controle de peso infantil, a mudança gradual é a melhor. Em um estudo de cinco anos com crianças em idade escolar, pesquisadores da Mayo Clinic descobriram que crianças que eram capazes de fazer pequenas mudanças em seus hábitos alimentares e de exercícios eram mais propensas a perder e controlar seu peso do que aquelas que tentaram fazer mudanças significativas . .

Para começar, uma criança pode identificar uma mudança única e específica que está pronta para fazer. Por exemplo, em vez de jurar que vai eliminar todos os lanches, a criança pode começar substituindo um pedaço de fruta por uma tigela padrão de sorvete na hora de dormir. Ou você pode brincar ao ar livre depois da escola ou andar de bicicleta em vez de assistir TV. Uma criança que reduz sua ingestão calórica total em apenas 100 calorias por dia (um pedaço extra de pão, biscoito ou meia tigela de cereal) perderá 4,5 quilos por ano.

Às vezes, crianças obesas precisam de mais do que apoio familiar, dieta e exercícios para atingir seus objetivos. De acordo com a Clínica Mayo, grupos de apoio compostos por crianças da mesma idade podem fornecer incentivo adicional e uma oportunidade bem-vinda para compartilhar sentimentos e discutir problemas e possíveis soluções.

Especialistas em saúde infantil apontam vários fatores que os tornam otimistas sobre as chances de reduzir a obesidade em crianças:

Os hábitos de alimentação e exercícios não saudáveis ​​são tão arraigados em crianças obesas quanto em adultos obesos e, portanto, são mais fáceis de mudar.

As famílias são mais propensas a mudar seus hábitos alimentares e de exercícios em uma criança obesa do que em um adulto obeso.

Poucas crianças com sobrepeso precisam perder peso, dizem os especialistas.

Em vez disso, os pais devem se concentrar em fazer as mudanças apropriadas para equilibrar a proporção peso / altura de uma criança obesa. Ao reduzir a prevalência da obesidade em crianças, o objetivo principal é fazer com que as crianças se mexam, evitar alimentos ricos em gordura e ensinar-lhes hábitos saudáveis ​​de condicionamento físico que durarão por toda a vida.

Tratamento para a Obesidade infantil

Os especialistas em saúde enfatizam que nenhum plano de controle de peso funcionará para todos. Mas os programas mais bem-sucedidos compartilham três elementos comuns: mudar a mentalidade de uma pessoa obesa sobre controle de peso, melhorar a dieta e aumentar a atividade física.

Obesidade infantil

De acordo com especialistas em saúde, crianças com sobrepeso que podem mudar a maneira como pensam sobre dieta e exercícios têm muito mais probabilidade de ter sucesso com qualquer plano de controle ou perda de peso. O apoio da família é essencial. Os pais devem trabalhar para garantir que seus filhos desenvolvam hábitos alimentares saudáveis ​​e de exercícios físicos a longo prazo.

Os sentimentos das crianças sobre si mesmas são fundamentalmente influenciados pela maneira como os pais se sentem a respeito delas. Depois que a criança percebe que tem um problema de peso, ela pode se sentir infeliz ou deprimida. Os especialistas em saúde enfatizam que os pais devem ajudar seus filhos a se sentirem valorizados, não importa quanto pesam. 

Você também deve encorajar uma criança acima do peso a aceitar que existe um problema. Eles devem mostrar um compromisso genuíno com o sucesso da criança e fornecer apoio e incentivo consistentes. Além disso, toda a família deve promover uma vida saudável para que a criança seja divertida e acolhedora. Idealmente, os pais devem dar o exemplo.

Os programas de controle de peso que minimizam a sensação de privação podem resultar em mudanças de comportamento de longo prazo e uma menor probabilidade de reversão para comportamentos prejudiciais à saúde, de acordo com especialistas em saúde. As crianças que sentem que têm opções planejadas e que estão no controle de seu tratamento para perda de peso também têm maior probabilidade de ter sucesso.

Identificar os fatores ambientais que contribuem para o problema de peso de uma criança é um primeiro passo essencial. Os profissionais de saúde recomendam manter um registro detalhado de suas escolhas e atividades alimentares diárias. O diário alimentar deve conter tudo o que a criança come e bebe no dia: o tipo de comida, a quantidade, onde a comida foi consumida (escola, casa, restaurante), quando foi consumida e como foi preparada. Também é útil observar como a criança se sentia enquanto comia.

Pais e filhos devem revisar os registros de alimentação e atividades e identificar comportamentos que contribuem para o problema de peso da criança. Por exemplo, lanches ricos em gordura estão mais disponíveis para a criança do que lanches saudáveis? A segunda e a terceira porções com as refeições são um hábito? A criança faz pelo menos 30 minutos de exercícios todos os dias? A criança come porque está entediada ou excitada?

Complicações da Obesidade infantil

A obesidade infantil pode prejudicar o corpo de várias maneiras. Crianças com obesidade têm maior probabilidade de ter: 

Pressão alta e colesterol alto

O colesterol alto tende a coexistir com a pressão alta, mas não necessariamente causa o outro.

Na verdade, embora não seja totalmente claro, a raiz dessa correlação está em um problema metabólico mais profundo que também inclui uma tendência de aumentar o açúcar no sangue.

Aumento do risco de tolerância à glicose diminuída

Anormalidade da tolerância à glicose (ATG), tolerância à glicose diminuída (TDG) é um tipo de pré-diabetes no qual um estado de hiperglicemia está associado à resistência à insulina e a um risco aumentado de desenvolver doença cardiovascular e diabetes progressiva, bem como um fator de risco para mortalidade. .

resistência à insulina e diabetes tipo 2

Uma pessoa com diabetes tipo 2 pode ser resistente aos efeitos da insulina, o hormônio que regula a entrada de açúcar nas células, ou pode não produzir insulina suficiente para manter os níveis normais de glicose. Se não for tratada, a diabetes pode ser fatal.

Problemas respiratórios como asma e apneia do sono

A pesquisa liga a apneia do sono à asma e à doença de Alzheimer Mais comum nos distúrbios respiratórios relacionados ao sono, a apneia do sono ocorre quando a respiração é bloqueada, deixando a pessoa com falta de ar e causando ronco e distúrbios do sono várias vezes por noite.

Problemas articulares e desconforto musculoesquelético

Os distúrbios musculoesqueléticos afetam diretamente os sistemas do corpo humano, particularmente ossos, discos intervertebrais, tendões, articulações, ligamentos, cartilagem, nervos e veias. Essas lesões podem ser decorrentes de movimentos, forças e vibrações repetitivas do corpo humano durante a realização de determinadas atividades profissionais.

Fígado gorduroso, cálculos biliares e refluxo gastresofágico (ou seja, azia)

Estudos em animais de laboratório sugerem que o refluxo biliar pode ter consequências graves ao longo do tempo, aumentando potencialmente o risco de câncer de esôfago. Ao contrário do refluxo ácido, o refluxo biliar geralmente não pode ser totalmente controlado com mudanças na dieta ou no estilo de vida.

Riscos futuros para a saúde

Crianças com obesidade têm maior probabilidade de se tornarem adultos obesos.11 A obesidade em adultos está associada a um risco aumentado de vários problemas graves de saúde, como doenças cardíacas, diabetes tipo 2 e câncer.12

Se as crianças são obesas, seus fatores de risco para obesidade e doenças tendem a ser mais graves na idade adulta.

Ao entender que a obesidade não é apenas um problema temporário, podemos perceber que existe uma necessidade crescente de que esta comorbidade seja combatida o tempo todo.

Complicações sociais e emocionais da Obesidade infantil

Depressão, perda de autoestima e ansiedade são condições comumente associadas à obesidade e podem interferir no aprendizado e criar dificuldades para o desenvolvimento social. Estudos demonstraram que tanto a depressão quanto a obesidade podem causar diminuição dos níveis do hormônio serotonina, aumentando a probabilidade de uma criança obesa também sofrer de depressão.

Obesidade infantil

A pesquisa também mostra que crianças e adolescentes com depressão têm maior probabilidade de se tornarem obesos do que seus pares não deprimidos. Além disso, crianças obesas costumam ser alvo de bullying, o que pode levar a problemas de autoestima e imagem corporal.

À medida que envelhecem, as meninas em particular tendem a se preocupar mais com sua aparência e mais atentas às imagens de mulheres mais magras na mídia. As adolescentes correm um risco especial de desenvolver transtornos alimentares, como anorexia e bulimia, e são propensas aos perigos do treinamento excessivo e de dietas intensas.

Alguns adolescentes, homens e mulheres, também começam a fumar na esperança de que isso os ajude a perder peso, o que pode criar riscos adicionais à saúde. De acordo com um estudo de 2016 da Universidade de Indiana, o aumento do peso na infância também foi associado ao uso de substâncias em uma idade mais precoce.

Efeitos da obesidade em crianças

As crianças obesas estão expostas a vários riscos para a saúde, sendo o maior deles adultos obesos. Crianças com sobrepeso que se tornam adultos obesos têm maior probabilidade de desenvolver doenças cardíacas, diabetes, hipertensão, colesterol alto, doenças da vesícula biliar, artrite e certos tipos de câncer, de acordo com a Clínica Mayo. Essas condições também podem ocorrer em uma idade mais jovem. 

De acordo com a American Medical Association, mais da metade de todos os adultos americanos estavam acima do peso em 1999, e as doenças relacionadas à obesidade foram a principal causa de morte evitável nos Estados Unidos após fumar. Um estudo de 1993 estimou que aproximadamente 300.000 americanos morrem prematuramente de obesidade a cada ano.

Crianças com excesso de peso têm maior probabilidade de desenvolver hipertensão e níveis de colesterol, especialmente se tiverem histórico familiar dessas doenças. Em crianças pequenas, o excesso de peso pode levar a complicações ortopédicas, como flexão dos ossos centrais da perna, tíbia e coxa, de acordo com o relatório de 1998 da AAP.

No entanto, os problemas mais sérios e dolorosos associados à obesidade infantil costumam ser de natureza emocional. Crianças com excesso de peso tendem a sofrer rejeição de outras crianças e outras formas de estresse social e emocional. Vários estudos mostraram que as crianças expressam uma preferência pela magreza desde cedo. 

Em um estudo, crianças de 10 e 11 anos classificaram as crianças obesas em último lugar entre aquelas que gostariam de ter como amigas. Outro estudo descobriu que crianças de 6 a 10 anos associavam a obesidade a vários traços negativos, como preguiça e descuido. Devido a essas atitudes, as crianças com excesso de peso muitas vezes ficam sobrecarregadas com seu problema de peso e podem sofrer de depressão.

Tudo para saúde e educação em um só lugar!

Se você gostou de aprender mais sobre este tema e quer encontrar mais informações e material de ensino, fique atento ao Minhas Atividades e descubra um mundo de material na palma da sua mão.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More